Processo de Beatificação

MCConst.JPG

As Apóstolas do Sagrado Coração de Jesus aguardam ansiosamente a grande alegria de ver nossa Fundadora Madre Clélia Merloni elevado às honras dos altares.

O processo de Beatificação:

Para começar uma causa, é necessário pelo menos 5 anos da morte do candidato. O papa pode renunciar a esse período de espera.

O bispo da diocese em que o candidato morreu é responsável por iniciar a investigação. O grupo promotor ( 'Ator Causae'), ou seja, a diocese, paróquia, congregação religiosa, ou associação, pede o bispo através do postulador a abertura da investigação. Neste ponto, o candidato recebe o título de Servo de Deus.

Uma vez que a investigação diocesana for concluído, os atos e documentação são repassados ​​à Congregação para as Causas dos Santos. O postulador, residente em Roma, segue a preparação da 'Positio', ou um resumo da documentação que comprova o exercício heróico das virtudes, sob a direção de um relator da Congregação.

A 'Positio' passa por um exame teológico por nove teólogos. Se for aprovada, a causa é repassado para exame por cardeais e bispos que são membros da congregação. Se o seu julgamento for favorável, o prefeito da Congregação apresenta os resultados de todo o curso da causa ao Santo Padre, que dá a sua aprovação e autoriza a congregação para elaborar o decreto relativo.

Para a beatificação de um servo de Deus, um milagre atribuído à sua intercessão e verificado após a sua morte é necessária. É feita uma investigação e os decretos são promulgados (sobre as virtudes heróicas e o milagre), o Santo Padre decide sobre beatificação, que é a concessão de culto público, limitado a uma esfera particular. Com a beatificação o candidato recebe o título de Beato.

Para a canonização é necessário um outro milagre, atribuído à intercessão da Bem-aventurada e tendo ocorrido depois de sua beatificação. Canonização é entendido como a concessão de culto público na Igreja Universal. Com a canonização, a Santíssima adquire o título de santo.

O processo de beatificação de Madre Clélia, na diocese de Roma, foi iniciado em 1º de abril de 1998. Os atos e documentos foram enviados naquele tempo à Congregação para as Causas dos Santos, que votou afirmativamente sobre a validade da investigação diocesana sobre 07 de agosto de 1999. o relator foi nomeado em 24 de setembro de 1999. Todo o trabalho está sendo realizado pela postulação nos arquivos de Madre Clelia na casa geral e, em seguida, apresentado ao relator e o postulador, Luca M. DeRosa, OFM. O estudo exigido está avançando de acordo com normas estabelecidas.

A partir de novembro de 2014, a Positio sobre a vida, virtudes e fama de santidade de Madre Clélia foi aceito pela Congregação para as Causas dos Santos e foi apresentado à Comissão Teológica, em Outubro de 2015.

Vamos todos continuar a rezar para que Madre Clélia, se for a vontade de Deus, seja chamada às honras dos beatificados, para que possamos recorrer cada vez mais à sua intercessão e poder aprender com seu exemplo de dedicação, humildade e generosamente à serviço de Deus!

No dia 21 de dezembro de 2016, o Papa Francisco reconheceu as virtudes heróicas da Serva de Deus Clélia Merloni. Sobre essa boa notícia, a Madre Geral, Ir. Miriam Cunha Sobrinha, assim se expressou: “Eu recebi com alegria essa notícia do Santo Padre, no dia 21, com a assinatura do decreto de Venerável, como reconhecimento das virtudes heróicas da nossa Madre Fundadora. Para nós, Apóstolas foi, realmente, uma alegria imensa...”

Informativo

Informativo Digital VPCNB

Vídeo

Madre Clelia